quinta-feira, 14 de junho de 2012

Uma reflexão à lá Laranja Mecânica


Talvez nos últimos dias,depois de ter lido e assistido Laranja Mecânica eu comecei a fazer aquelas reflexões pós-leituras,mesmo que no meio do livro eu já estava começando a fazer tais reflexões,mas só no pós-leitura  é que as coisas começam a se sondar e ai você a base da tal reflexão.
Anthony Burguess escreveu uma obra-prima,isso já um fato explicito,mas o que ele fez,ao meu ver é claro,foi conseguir meio que "expor"a algumas realidades do mundo moderno,mesmo o livro sendo dos anos 60 e Stanley Kubrick tendo rodado o filme em 1971.Realidades do tipo: a violência que se tem nas grandes cidades,a alienação da sociedade,a lavagem cerebral que o mundo faz em nós,os efeitos das drogas,e muitas coisas que agente vê por aí e as pessoas simplesmente ignoram.
Ah,e não podemos esquecer do glossário Nadsat (ou o glossário "adolescente") que Anthony Burguess criou para o mundo futurístico de seu livro,que tem bases na língua inglesa,eslava e russa,um glossário que no caso eu adorei ter aprendido.
Mas se você,ser humano que não gostou de Laranja Mecânica pelo simples fato de Alex ser muito violento e louco,a sociedade te fez uma grande lavagem cerebral em você e você se alienou pro mundo.
Então,chega de buábuá e vai até a geladeira,tome um moloko,e vá curtir a tua vida um pouco por favor,porque o mundo não é igual a novela não,compreende?
E se você achou que eu só falei um monte um monte de porcaria e virou uma Laranja Mecânica em estudo,e só.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar.