terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Lolita


"Lolita,luz de minha vida,labareda em minha carne.Minha alma,minha lama.Lo-li-ta:a ponta da língua descendo em três saltos pelo céu da boca para tropeçar de leve,no terceiro,contra os dentes.Lo-li-ta.
Pela manhã ela era Lô,não mais que Lô,com seu metro e quarenta e sete de altura calçando uma única meia soquete.Era Lola ao vestir ao vestir os jeans desbotados.Era Dolly na escola.Era Dolores sobre a linha pontilhada.Mas em meus braços sempre foi Lolita.
Será que teve uma precursora?Sim,de fato teve.Na verdade talvez jamais teria existido uma Lolita se,em certo verão,eu não houvesse amado uma menina primordial.Num principado à beira-mar.Quando foi isso?Cerca de tantos anos antes de Lolita haver nascido quantos eu tinha naquele verão.Ninguém melhor do que um assassino para exibir um estilo floreado.
Senhoras e senhores membros do júri,o item número um da acusação é aquilo que invejavam os serafins - os desinformados e simplórios serafins de nobre asas.Vejam este emaranhado de espinhos."
Lolita - de Vladimir Nabokov,Capítulo 1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para comentar.