domingo, 19 de maio de 2013

Vou-me embora pra Gallifrey*

Daqui

Vou-me embora para Gallifrey
Lá poderei viver
Sem tem que perceber
O quanto tempo passou

Vou-me embora pra Gallifrey
Vou-me embora pra Gallifrey
Que lá seja a minha casa 
Que todas as aventuras que imaginei
Eu as viva todas as manhã
Antes de tomar café
Viajando no tempo-espaço 
Sem sair de casa

E como viajaria!
Para todos os planetas
Que existem no universo
Veria a Lua
Passaria algum tempo em Netuno 
Mas se me cansasse 
Veria Júpiter em seu maior explendor
Correria entre Roma e a Idade Média
Veria Antonieta perdendo sua cabeça
Às 8 da manhã
Da porta da minha Tardis

Em Gallifrey é diferente 
Tem um processo seguro contra roubo
De impedirem que Senhores do Tempo roubem naves
Daquele adorável lugar
Tem bibliotecas imensas
Árvores com folhas de vidro
Para ver os raios vindo dos dois sóis
Passarem por elas

E quando eu estiver mais triste 
Mas triste de não ter mais jeito 
Perdida num buraco negro
Pronta pra morrer
-Lá sou amiga do Doutor -
Lá poderei viver
Sem tem que perceber 
O quanto tempo passou 
Vou-me embora pra Gallifrey.



*Poema baseado no poema de Manuel Bandeira,Vou-me embora pra Pasárgada.

2 comentários:

Sinta-se a vontade para comentar.