domingo, 15 de junho de 2014

Habemus um pouco de espaço nessa vida.

Hoje,meu pai e meu irmão foram comprar figurinhas pro álbum da Copa do irmão,na banda de jornais que tem no Wall Mart no centro de Osasco,e meu irmão acabou me chamando para ir junto com eles.Enquanto eles compravam as figurinhas e meu irmão escolhia uma HQ pra ele,meu pai me disse que eu poderia escolher alguma coisa da banca e primeiro fui atrás da nova Rolling Stone,que tinha acabado de sair com o Peter Dinklage na capa mas ainda não havia chegado na banca e acabei levando o Estadão para casa por conta de um especial sobre o aniversário de 70 anos do Chico Buarque!E de junto com o jornal veio uma Veja e uma Veja São Paulo,porque meu pai achou que duas revistas e um jornal era uma baita de uma oferta e também já que eu faço jornalismo eu tinha que ler a revista.

Porém quando cheguei em casa e fui guardar as revista e o jornal no Guarda-Roupa para ler amanhã,pois eu tenho que terminar A Fúria dos Reis do Sor. George R.R.Martin que eu estou bem no finalzinho,só faltam 70 páginas pouca coisa,e eu vi que não tinha mais espaço para guardar o jornal e as revistas no guarda-roupa-livros.

Eu não tenho um quarto propriamente meu,e meu desejo desde sempre foi ter o meu canto para as minhas coisas.Eu durmo no mesmo quarto que a minha mãe e meu irmão,e lá não tem muito espaço para os meus livros,já que os guarda-roupas (só pra roupa mesmo) não tem espaço para guardar todos os livros e revistas e,acabo guardando tudo no outro quarto.O “O Outro Quarto” era o quarto do meu tio Saulo antes dele se casar e quando ele se casou ele me disse que o quarto era meu,e que eu poderia fazer qualquer coisa com ele,mas só levei os livros,os dvds e umas blusas que não cabiam no guarda-roupa e depois que eu tirei todas as coisas dele,guardei as minhas coisas lá e por conta disso acabo passando a maior parte do tempo mais nesse quarto do que o outro.

Quando eu vi toda aquela quantidade de espaço sendo usada para guardar cadernos do colegial,do fundamental II e a Caprichos,que até hoje eu não entendia porque eu tinha guardado e eu nunca vou entender,me fez sentir como se estivesse presa a um tempo que já se foi e eu ainda estou sendo obrigada a vive-lo.Essa sensação fez meu peito do doer,enquanto eu me perguntava,”Será que eu vou usar todos esses cadernos e folhas que eu guardei?”,porque eu fui obrigada a guardar todos esses cadernos e folhas para casa um dia eu precisasse e eu nunca precisei,e também se eu ficasse nesse mimimi todo de “Um dia desses eu vou precisar” eu nunca ia ter espaço para novas coisas e teria sempre que guardar aqueles papéis todos.

Tirei todos os cadernos,fichários,folhas,Caprichos e entre outras coisas velhas do guarda-roupas joguei tudo no chão e vi o que poderia guardar o não,mas acabei jogando um monte de coisas fora e amanhã de manhã pretendo jogar muito mais coisas.Brotou espaço no guarda-roupa onde eu não sabia que existia,brotou espaço também até na minha vida!Estou até me sentindo bem mais leve do que antes.

E toda essa limpeza me motivou a um dia tentar ser mais organizada e minimalista.Um dia,num futuro não tão distante,assim eu espero.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. A última vez que fiz uma compra numa banca foi aos 11/12 anos de idade! Taí um passeio vintage.

    Mas eu fiquei me perguntando: por que você não "se muda" pro antigo quarto do tio Saulo ao invés de dividir espaço com sua mãe e irmão?

    O desapego é uma das melhores coisas, e vicia. Quando a gente começa, não para mais :)

    ResponderExcluir
  3. É a primeira vez que passo por aqui e adorei seu cantinho.
    Meu quarto também não é muito grande, mas tem um guarda-roupas grande que cabe bastante tralha, umas prateleiras e um "baú" bem fundo. Acho que quanto mais espaço você tem, mais besteiras você guarda e isso deixa o comodismo tomar conta. "Pra que me livrar dessas coisas velhas se eu tenho espaço pra guardar?". Acontece que o espaço não é infinito e uma hora invariavelmente você vai ter que começar a desapegar. Por isso eu digo: é melhor você ter um espaço um pouco reduzido e ter que lidar de vez com o desapego do que chegar a um nível caótico de guardar tudo e depois ter muito mais trabalho pra se desfazer das coisas velhas.

    Adorei o rumo que o texto tomou. Tento levar isso pra vida, embora seja difícil. Sou apegada a momentos, lembranças e isso muitas vezes me prende a pessoas que mudaram (eu mudei também) e não me fazem tão feliz quanto já fizeram. E elas vão ficando, ficando, e eu não consigo simplesmente dizer adeus. Enfim. Preciso exercitar mais o desapego.

    macabea-contemporanea.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Ah.. o desapego....
    Fiz isso também com as apostilas da faculdade, joguei tudo fora sem pensar, agora se eu precisar um dia darei um jeito! hahahaha joguei porque a grande maioria a gente encontra na internet, então é melhor manter num pendrive que num guarda roupas né.

    Me perguntei a mesma coisa que a Del, porque não se muda para o quarto do tio? rs

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para comentar.