sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Das ironias,somente as melhores.

Para Grasielly,que conseguiu me tirar da doença da meia-noite

Algum tempo atrás estive conversando com a minha amiga Maria, sobre o fato de nós duas sempre estarmos num intenso (e estranho) bloqueio criativo e maior consequência em nós duas nisso tudo é a precoce morte de nossos blogs.

Esse tal bloqueio criativo é algo um tanto quanto irônico para nós duas, porque fazemos cursos nos quais se exige muita, mas muita escrita: ela cursa letras e eu curso jornalismo. E sempre que conversamos sobre isso, acabamos nos perguntando por que de isso acontecer com nós.

Não sei se é por falta de inspiração, pois eu sempre vivo com uma ideia “batucando” em minha mente e sempre que possível, tento desenvolvê-la e quase sempre ela nunca dá certo. É como se minha mente nesses últimos tempos estivesse com a “Memória interna cheia para ideias” e precisasse de um tempo para se acalmar e encontrar,  se não eu acabaria igual ao poeta Arthur Rimbaud, largando a literatura e indo trabalhar no contrabando de armas na Abissínia, alegando o esgotamento de ideias.

Mas por sorte eu talvez não acabe indo contrabandear armas na Abissínia, já que minhas ideias voltaram com tudo e agora posso voltar a escrever sem sentir um peso na consciência de que não consegui produzir um misera frase.


Afinal, consegui me livrar da Doença da Meia-Noite sem tantos danos e consequências em minha vida. E com umas ideias num caderninho de capa cinza.